Resenha a descoberta do Jesus histórico

A_DESCOBERTA_DO_JESUS_HISTORICO_1269659987PNo livro a descoberta do Jesus histórico os autores organizadores mesclam uma abordagem de vários pontos de vista teórico, sobre a imagem de Jesus histórico de uma forma complexa. Um pouco sobre os organizadores: André Leonardo Chevitarese é mestre em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e doutor em Ciência Social(Antropologia Social) pela Universidade de São Paulo e Cabriele Cornelli é doutor em Ciência da Religião da Universidade Metodista de São Paulo com Pós-doutorado em Filosofia da Universidade Estadual de Campinas. O livro foi dividido em duas partes, a primeira parte sendo JESUS HISTÓRICO. CAMINHOS DE BUSCA e a segunda parte JESUS DE NAZARÉ EM PERSPECTIVA.

PARTE 1 – JESUS HISTORICO. CAMINHOS DE BUSCA

 A vida do Jesus Histórico por John Domicic Crossan

O autor começa nos dizendo contexto que se reconstrói o Jesus Histórico e o cristianismo antigo se desenvolveu sobre três camadas. Com Jesus sendo compreendido dentro e partir do próprio Cristianismo.

Após a II Guerra Mundial a matriz contextual foi ampliada para interpretar o Jesus histórico e o Cristianismo antigo. E o contexto completo para o Jesus histórico e o Cristianismo antigo era enxergá-los dentro do Cristianismo no interior do judaísmo. O autor também nos mostra um pano de fundo geográfico (matriz) para João e Jesus no território de Herodes. Traz também questões sobre escatologia apocalíptica que significa alguma revelação especial sobre grande limpeza do mundo por Deus, conteúdo que estava ligado no século I d.C. Afirmando que João foi um escatologista que proclamou a chegada do Deus vingador de forma incisiva ele também identifica Jesus (e não Deus) com aquele que é maior do que ele, de uma forma explicita pois já tinha profetizado que viria em breve. Sua visão celestial ajuda o Batista a identificar Jesus e não Jesus a reconhecer sua própria identidade. Apresenta também uma questão de João e Jesus: Reino de Deus como monopólio ou Franquia? – Apresentando uma ideia de que João teve um monopólio, mas Jesus uma Franquia.

A oração de Nabônides e o Jesus Histórico por André Leonardo Chevitarese

O autor fala sobre um documento, que há no material de Qumram, conhecido como 4Q242. Um fragmento que fala de um judeu que curou Nabônides, o rei de Babilônia de uma chaga maligna. Na qual busca compará-lo, com as narrativa  neotestamentárias.

Morte e vida “Severina” de Jesus: Um camponês galileu na “Cruz” da História por Gabriele Cornelli

O autor defende uma tese sobre a narrativa do julgamento de Jesus, dizendo que existem vários sinais evidentes na qual é a magia dele o motivo mais importante de sua acusação e condenação à morte. O autor monta uma exegese do bloco narrativo da Paixão.

Jesus histórico. Importância e limites de um método em John D. Crossan por André Barroso

            Logo no início ele já aborda que é um artigo com a tentativa de apresentar um estudo metodológico válido para as pesquisa científica das religiões em geral, e do Cristianismo primitivo popular. Com intuito de resgatar a importância do tema e sua utilidade na perspectiva da construção do conhecimento. Cujo o objetivo é construir objetos comuns observados a partir da metodologia comparada, pois busca o diálogo com outras disciplina, como Sociologia, Antropologia, Arqueologia, Filosofia, Psicologia e etc. Criando então um espaço melhor para observação do estudo histórico das religiões.

PARTE II – JESUS DE NAZARÉ EM PERSPECTIVA

 As duas vozes mais antigas da tradição de Jesus por John Domicic Crossan

É relatado que há duas vozes muitos importantes e muito antigas ainda discerníveis tudo em meios aos textos do Novo Testamento. E que ambas carregam uma nuvem de controvérsia, e o autor tem uma posição em relação a cada uma delas e que se desenvolveram dentro de uma mesma matriz do movimento do reino mesmo sendo divergentes uma da outra.

O Cristianismo e os Essênios. João Batista e Jesus Conheceram os Essênios? Por Isidoro Mazzarolo

            Os essênios, conhecidos como hassidim, eram uma parcela de judeus pios, beatos, conservadores e escrupulosos nos seus conceito e práticas religiosas. Ainda persistem muitas incertezas sobre a origem desse movimento. O autor conta o porquê da ida desse povo ao Deserto, acredita-se que quando os líderes dos Macabeus, Jônatas e Simão, usurparam o ofício do sumo sacerdote, profanando a fé e as expectativa dos judeus conservadores desencadeou a crise que provocou o isolamento do grupo e a sua perseguição.

            Esse é um livro que trata de História da Vida de Jesus por outro lado na qual não conhecia, um livro que refere a pessoa humana de Jesus uma reconstrução baseada em métodos históricos, e com os evangélicos canônicos através das análises criticas. Pelo fato de ser organizado com artigos de diferentes autores torna a leitura um pouco pesada (talvez), em relação ao entendimento, mas é um ótimo livro para quem quer saber e conhecer o Jesus Histórico.

Leonardo Carlos

Meu nome é Leonardo Carlos, Sou Desenvolvedor web, Designer Gráfico, Consultor em Marketing Digital certificado. Atuo na área da internet desde 2002 e ajuda profissionais e empresas crescerem seus negócios através da internet.

Website: http://www.leonardocarlos.com.br

1 Comentário

  1. Quando iniciei minhas pesquisas acerca da origem do cristianismo eu já tinha uma ideia formada: nada de Bíblia, teologia e história das religiões. Todos os que haviam explorado esse caminho haviam chegado à conclusão alguma. No máximo, sabiam que o que se pensava saber não era verdade. É isso o que a nossa cultura espera de nós, pois não gosta de indiscrições. Como o mundo não havia parado para que o Novo Testamento fosse escrito, o que esse mesmo mundo poderia me contar a respeito dessa curiosidade histórica. Afinal, o que acontecia nos quatro primeiros séculos no mundo greco-romano entre grego, romanos e judeus?

    http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/paguei-pra-ver

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.