Resenha: Livro Vida Líquida

Tempo de leitura: 3 minutos

O autor Zygmunt Bauman é um escritor filósofo contemporâneo, que tem vários livros publicados. Neste livro “Vida Líquida” ele aborda a relação humana em uma sociedade consumista, e essa sociedade acaba valorizando mais o que é temporário. E essa é a definição de sociedade líquido-moderna que ele aborda logo no início ele define de forma mais clara:

A “Líquido-moderna” é uma sociedade em que as condições sob as quais agem seus membros mudam num tempo mais curto do que aquele necessário para a consolidação, em hábitos e rotinas, da forma de agir. (BAUMAM,2005)

O autor nos leva a questionar e duvidar de tudo que tem sido nos apresentados. Ele resume muito bem essa vida líquida, onde ela […]é uma vida precária, vivida em condições de incerteza constante. As preocupações mais intensas e obstinadas que assombram esse tipo de vida são os temores de ser pego tirando uma soneca, não conseguir acompanhar a rapidez dos eventos, ficar para trás[…]. A vida liquida é uma sucessão de reinícios. E neste mundo líquido-moderno, a lealdade é motivo de vergonha, não de orgulho.

Bauman inicia falando sobre os indivíduos, onde ser um indivíduo significa ser igual a todos no grupo, ou seja, idêntico aos demais. Ele trata muito pela individualidade. Mais à frente ele trata dos heróis numa sociedade consumista, onde se tornam celebridade e perdem sua eternidade. Não lutam por uma causa nobre, os heróis atuais servem apenas de matriz para serem copiadas esteticamente. Baumam também aborda sobre a formação da cultura e seu valor no mercado, a autor diz que são os mercados que ditam o que é essencial para a cultura e não ao contrário. Naturalmente, são os critérios do mercado de consumo, do tipo que estabelece uma preferência pelo consumo, a satisfação e o lucro instantâneos.

O autor, fala sobre os consumidores ele começa dizendo que a sociedade de consumo tem por base a premissa de satisfazer os desejos humanos de uma forma que nenhuma sociedade do passado pode realizar ou sonhar. A sociedade de consumo consegue tornar permanente a insatisfação. Uma das formas de causar esse efeito é depreciar e desvalorizar produtos de consumo logo depois de terem sidos alçados ao universo dos desejos do consumidor.

No capítulo 6 ele fala sobre a educação, sobre a indústria do conhecimento, dizendo que toda informação tem prazo de valide e que todos precisamos estar atualizados.

Finalizando então o Autor no último capítulo e ajunta todos os temas, cultura, educação, consumidor e da influência do estado.  E as pessoas que gostam de serem enganadas.

Essa obra é uma boa obra, como mencionei anteriormente, é uma obra que nos faz pensar e analisarmos como estamos vivendo nossa vida, como estamos sendo influenciados, sabemos que estamos sendo influenciados e nada fazemos para mudar. E o papel do estado em relação a isso tudo. Uma obra com uma leitura pelos menos para mim pesada, pois não ser muito do ramo da filosofia, mas com uma grande gama de aprendizado um livro que vale a pena ter em uma biblioteca.

Deixe uma resposta